Câmara Municipal de Penela

Assembleia Municipal aprova moção contra o encerramento dos Covões

Assembleia Municipal aprova moção contra o encerramento dos Covões


A Assembleia Municipal de Penela aprovou, por unanimidade, na reunião de 26 de junho último, uma moção contra o encerramento do Hospital Geral dos Covões.

 

MOÇÃO

"Ao longo já de largos anos têm vindo as diversas administrações dos CHUC a diminuir as áreas de apoio e valências daquele que para nós, concelho de Penela, é o nosso hospital de referência: o Hospital Geral dos Covões.
Apela-se ao direito ao acesso a cuidados de saúde de qualidade. O nosso ilustre conterrâneo, Dr. António Arnaut, foi o fundador do SNS e ele próprio como utente daquela unidade central de saúde apelou à sua manutenção e continuação…. Tudo por um melhor serviço de cuidados de saúde!

Em 2012 começou a transformar-se a urgência do hospital, com a redução de serviços e horários, posteriormente foram-se fechando as portas de vários serviços e enfermarias de algumas especialidades e transferindo tanto utentes como os profissionais para os HUC e mais recentemente, aproveitando uma fase única mundial de pandemia e estado de emergência nacional galopou-se no encerramento de mais enfermarias como foi de medicina Interna ou cardiologia, com um serviço de excelência, e que nunca mais verão os pacientes regulares a ocupar as camas dos quartos que ora acolhem em exclusividade os doentes COVID-19.

O concelho de Penela, e milhares de utentes de toda a margem sul do Mondego até ao distrito de Leiria e até mesmo Santarém ou no interior do país, veem o seu maior recurso de apoio de saúde público reduzido a uma urgência básica, podemos quase dizer, serviços mínimos de saúde, como se um mero hospital de uma pequena cidade se tratasse sem imensas especialidades como é ortopedia, medicina interna ou médico-cirúgica, além das que já tinham sido excluídas anteriormente.
É uma limitação deliberada dos órgãos de gestão dos CHUC, agora demissionários, com a clara conivência da ARS e do Governo central. Questiona-se se eventualmente não será até em beneficio dos serviços de saúde privados.
O Direito à saúde encontra-se comprometido e a conduta politica ignora de forma severa qualquer manifestação social, da classe médica, de enfermagem ou de outros profissionais de saúde.
 A indiferença face ao esvaziamento de um hospital com excelentes condições técnicas, profissionais e de edifício, o qual sofreu consideráveis investimentos e melhorias estruturais, em favor de um edifício que por si só já não comporta mais utentes, mais serviços e mais técnicos, esgotada que está a resposta de qualidade ao seu maior objetivo que é o doente, permitindo filas infindáveis de utentes que aguardam na rua, durante horas, ou familiares que pernoitam e acordam num contentor à porta de uma urgência hospitalar, os profissionais de saúde que têm que chegar ao recinto horas antes do seu turno para conseguir entrar no hospital a horas ou as filas de ambulâncias que aguardam imenso tempo para poder deixar o seu utente no serviço desejado, é uma situação que não é aceitável num país e numa cidade que realçou o facto de ter um Hospital dedicado em exclusivo à Pandemia.
É entendimento desta Assembleia Municipal do Concelho de Penela que esta posição deverá ser totalmente revertida pela nova Administração dos CHUC e pelas entidades competentes, garantindo uma urgência digna de um hospital central, com todas as valências que a caracterizam, a decisão definitiva sobre a maternidade e que se reativem as enfermarias possíveis possibilitando o acompanhamento e tratamento continuado dos seus doentes e das nossas populações."



Data

07/07/2020

Categoria

Saúde

Partilhar notícia